terça-feira, março 14, 2006

Talvez...

Tudo começou em um dialogo comum.
De repente eu senti de novo aquele velho desejo de “ganhar” alguma coisa que me espera em algum lugar! É muito simples. E, complexo também, mas, só para você.
Eu fecho os olhos e vejo todos os atalhos que peguei e todas as vezes que tive que fugir daqui. Quantas noites andei, literalmente, tentando encontrar esta coisa? Embaixo da chuva, embaixo do mundo, abaixo de mim!
Uma vez, olhando o mar e contando esta “pequenice”, me vi sorrindo... Sozinha, perdida em uma esperança, quase absurda, de encontrar alguém que quisesse conhecer “este lugar”. “Viajar” junto comigo para além daquele mar e encontrar do outro lado o mesmo morro verde de sonhos que já vi um dia, na infância; quando eu tinha toadas as respostas... Quando eu era forte o suficiente para encantar você.
- Menina, eu te vi e te dediquei toda a minha vida, só para preservar em teu rosto o sorriso que me transporta para o único lugar que faz sentido. Onde podíamos brincar sem medo do escuro, lembra?
O máximo que consegui, até hoje, é bastante interessante... Mas, sinto que quero mais! Preciso de mais, minha natureza toda pede isso e é mais forte do que eu, graças a Deus!
Não se preocupe, não deixarei que a sua sombra se apague. Para garantir que você, menina, nunca me deixe sozinha. Neste mundo tão grande... Tão frio...
*** *** ***
“Vejo você de tão longe e só eu sei que é você,
porque só eu sei te ver.
Lembro de tudo que houve, de tudo que ia haver...
Eu não esqueço nada, nem vou esquecer (...)”.
*** *** ***
Voltando a minha terra verde, eu preciso descobrir aonde fica esta “porta”. Eu tenho que garantir esta chegada!
“Você me trata tão bem, mantêm meu coração ferido, vou te fazer um pedido: não fique perto de mim (...)”.
Talvez, na tela prateada da ilusão, onde chegaremos a um final feliz, eu possa te falar, com as palavras mais comuns que existem neste vocabulário fraco, quem é esta pessoa que sente, sonha e sofre aqui dentro. Talvez, possamos descobrir uma forma menos cruel de faze isso... Sem as palavras... Só com a emoção de ser quem somos, apenas isso... Talvez... Quem sabe?

2 comentários:

Ronymaru. disse...

que ternura

Fada Poetisa disse...

Ola Cathy como vc está?
Lembra de mim?
Não entrei mais na net. A última vez q nos falamos vc estava bem. Espero q continue. Hj fui aos meus favoritos e vi seu blog. Belas palavras, ainda escreve com alma apaixonada...Seja feliz sempre. Beijos boa semana