sábado, agosto 11, 2007

Menino (...)

Sim, eu sonhava com você. E eu continuo a sonhar com você, menino. Continuo a me embriagar no prazer que é existir para te achar. Em qualquer lugar... Naquela escada, naquela esquina, naquela noite cintilante, ou até aqui na minha tela imaginária.
Sim, meu menino, eu sempre estive a te procurar, sempre dancei sob o sol e a chuva esperando o pairar do teu sorriso... Qualquer sorriso, sempre estive a espiar o teu olhar, aquele olhar que só você sabe lançar. Sim, meu menino, somos os anjos caídos das noites chuvosas do outono, somos um pedacinho de nada nas águas pálidas do “Riviera”. Somos só uma ilusão perfeita sob o céu daquela praia.

Meu menino, você me fascina, me ilumina, me invade... Traz-me tanta coragem, tanta ternura, ardor e paixão. Deitar em você, sentir teu olhar distante, vagaroso, teimosos, tão meu, tão longe de mim...

"He’ll be the true love of mine. And I’ll pray all the night for him eyes. I wanna fall into him arms and forget the rest. It’s so hard and so deep to me. It is the spell. My only way… I’ll wait for him there… At the clouds… I’ll be there in anywhere just for him hold me again… only one more time".

Como dizer quem é você? Como resumir a imensidão da tua existência em rasas palavras vadias? Como podes chegar de repente; e, novamente, me pondo a delirar, a me tumultuar, a me encantar... Só para depois partir... Sumir... me iludir...

Quero dançar para você está noite, quero me entregar ao teu desejo profano, à tua boca sagrada, à minha busca sedenta. Quero de enlouquecer, te laçar, me perder e te achar, aqui, dentro de mim.

Quero escutar esta melodia outra vez, enlouquecer de vez, até causar algum ruído aí, dentro de ti. Meu menino, meu anjo, meu amor. Eterno amor, profundo amor, finito amor. Tão doce esta dor! Viver esta errante existência para poder tropeçar em você...Seja como for, com a face que for, em qualquer lugar.... É a minha razão e sentido. É a minha lei e vontade. É o que torna tudo colorido, tudo permitido e tudo encantado.

Ainda que eu me perca, ainda que desapareças, estarei a te esperar, eternamente, em cada intervalo de tempo sagrado que pairas sob meu corpo, sob a minha mente, sob a minha alma... Viverei, sempre, eternamente, a esperar a tua volta, com cada face que renovas, com o sorriso que me encantas, com teu suave dedilhar sobre o violino, que de forma magistral, me entorpece.

Um comentário:

Helenadetroia disse...

Menina, quanta beleza e desejo nas suas palavras. Traz curiosidade em conhecê-la mais profundamente.